29 de setembro de 2019, por:

Plutão faz show de gente grande no Rock in Rio

Plutão recebe Mahmundi no Rock in Rio Foto: Brenno Carvalho/ Agência O Globo

Com a tarefa – quase sempre ingrata – de abrir os shows do terceiro dia do Rock in Rio, a banda potiguar Plutão já Foi Planeta cumpriu com louvor sua missão na tarde deste domingo, em apresentação na cidade do rock.

Após reformulação na banda que virou um Quarteto (Natália Noronha, Sapulha Campos, Gustavo Arruda e Renato Lelis) o grupo subiu ao palco em formato de sexteto, contando com uma baixista e um percussionista convidados especialmente para o evento.

No palco Sunset, a banda deu indícios de como será esse novo ciclo que se inicia. Sem perder a “doçura” com a qual arrebatou uma legião de admiradores, Plutão da uma novo passo em sua sonoridade.

Com arranjos mais dançantes, ficou mais fácil para a banda dominar o público. Esbanjando uma calma bem peculiar para um estreante, a banda se sentiu a vontade no palco e teve uma interação bem sintonizada com a plateia.

Iniciando com seus trabalhos mais recentes, os singles “Pra gente ser feliz”, “Estrondo” e “Lua em Rita Lee”, a banda se aqueceu bem para receber Mahmundi, a convidada especial da tarde, marca registrada do palco Sunset.

Com a cantora carioca, que tem um som mais puxado para o pop anos 80, ficou claro o acerto da escolha da banda por arranjos mais vibrantes. O show não perdeu intensidade, e tudo parecia estar muito bem ensaiado.

Essa conexão vem do fato de que Mahmundi produziu “Lua em Rita Lee”. Junto de Plutão, Mahmundi deu a liga em canções como “Hit”, “O calor do amor”. e “Qual é a sua?”.

Na sequência, ainda houve espaço para uma verdadeira declaração de amor a Natal e ao nordeste, celebrada por um bom cover de “Anunciação” de Alceu Valença.

O grande destaque do show – e não podia deixar de ser – ficou por conta da vocalista Natália Noronha. Com um carisma impressionante, Natália encantou o público com sua voz, além de tocar violão, surdo e controlar ela mesma os efeitos de voz, algo que faz uma enorme diferença ao vivo.

O conserto teve também canções como “O ficar e o ir da gente” e “Alto mar”, dos trabalhos mais antigos da banda. Além de música, houve também um momento para levantar a bandeira LGBT, que tremulou durante todo o show em cima do surdo a frente do palco. A cantora Mamundhi aproveitou a oportunidade também para protestar contra a violência policial.

Ao fim Plutão mostrou que tem força planetária e evolui a passos largos dentro do rock pop nacional, pois também já se apresentou no Loolapalooza, outro festival de grande porte.

Deixando um pouco pra trás aquele clima folk/índie, mas sem perder a incansável ternura, a banda parece apostar em uma sonoridade mais sofisticada e corajosa. Com toda certeza disputa o posto de grande revelação deste Rock in Rio.