19 de agosto de 2016, por:

Entrevista: Antônio de Pádua fala sobre lançamento de disco novo e do projeto Jardim Cultural

padua

Foto: Divulgação/Facebook.

O multi-instrumentista Antônio de Pádua irá lançar seu terceiro disco, chamado “All black”, que foi financiado pelo próprio Pádua, na noite deste sábado (20). O lançamento do álbum está sintonizado também com a primeira edição do projeto “Jardim Cultural” que será desenvolvido na própria residência do músico. Conversamos com ele para saber mais detalhes sobre a grande festa que promete muita música de qualidade e jazz no último volume.

Como surgiu a ideia de autofinanciar o disco? Foi resultado das circunstâncias?

A ideia surgiu da necessidade. De ter um lugar, um espaço para tocar continuamente. Existe uma demanda muito grande de músicas e eu já estava há nove anos sem gravar. Agora com um estúdio em casa eu resolvi fazer no minimo três discos por ano. Entretanto para aprovar em lei, patrocínio e essas coisas é muito burocrático e nem sempre viável. Tentamos uma campanha de financiamento colaborativo via catarse, mas que não funcionou pra gente. Então resolvemos autofinanciar e estamos correndo atrás, com o lançamento do disco e também com a abertura de um novo espaço chamado “Jardim cultural” para mostrar outros artistas. Enfim, a ideia é a gente conseguir se autossustentar e contar com a colaboração de todos envolvidos na cadeia da economia criativa.

O que o público pode esperar desse novo trabalho? Quais as inspirações dele?

É um disco de jazz, com uma formação clássica do estilo jazz quarteto sendo Matheus Jardim na bateria, Daniel Ribeiro no baixo, Eduardo Taufic no piano e eu no trompete. Gravamos o disco no ano passado e esse sempre foi um grande sonho meu de fazer algo diferente dos trabalhos que eu desenvolvia, que sempre apostava em uma linguagem brasileira. Esse vai a fundo nos ritmos norte americanos. Mas o disco mantem o sotaque, não tentamos disfarçar. Minha inspiração maior foi meus dois filhos (Matheus e João Vitor, ambos músicos). Quero passar pra eles essa alma jazzística.

O show irá servir para cobrir os custos. Essa é uma perspectiva nova na cidade. Como foi o esquema?

Queremos buscar que o público contribua. Nossa parte é a arte, a organização e fornecer um bom momento. Quem não gosta de ver grandes músicos reunidos tocando boa musica? Essa é a ideia do projeto, sempre ter grandes encontros com musica de qualidade, também com boa gastronomia. E para esse primeiro evento esperamos reverter boa parte dos custos para a produção do disco. Até agora a resposta tem sido positiva.

Além do lançamento, a cantora Dani Cruz também se apresenta na noite. Na sua opinião ela é foi a grande revelação da música potiguar neste ano?

Acredito que a Dani Cruz tem sido uma grande revelação nos últimos anos. É uma pessoa maravilhosa com um potencial musical incrível e uma simpatia gigantesca no palco. Além de grande cantora, agora também é compositora. Pra mim não é uma grande surpresa, desde que conheci o trabalho dela, toda vez que preciso de uma cantora conto com a colaboração dela. Todos os frutos que ela está colhendo agora são muito merecidos. Ela é uma grande artista e orgulha todo mundo que faz musica de qualidade em nosso estado e nossa cidade.

O repertório será baseado no disco novo? O Quarteto de peso está afiado?

O repertório será composto de quatro a cinco músicas do disco novo e no segundo momento teremos convidados para uma jam session que tocarão mais algumas deste trabalho. Também iremos tocar clássicos, e só Deus sabe o que vai rolar. Vai ser uma festa bem descontraída com encontros inusitados. A Dani Cruz vai fazer alguns clássicos do MPB e outras autorais, e ela será acompanhada pelo quarteto. Vamos unir os dois trabalhos. Essa é a proposta do Jardim Cultural, artistas instrumentais com uma cantora e no final jam session.

O público foi limitado em 60 pessoas. Ainda há vagas?

Até o momento ainda temos vagas. Estamos cerca com 60% da capacidade. Temos que limitar a quantidade de público para poder manter um ambiente intimista e confortável para todos. Escutar musica, comer bem, bater aquele papo. Acho interessante termos um ambiente desses na cidade.

Serviço

Lançamento “All Black” no Jardim Cultural com Antonio de Pádua 4Teto, Dani Cruz e Jam Session

Local: Jardim Cultural – Sábado (20) as 20h.

Entradas: R$30,00 (entrada + cd), R$20,00 (inteira sem cd), R$15,00 ( cd ), R$ 10,00(Meia estudantes e classe artística sem cd).

Informações e Reservas –  999117820 (wathsapp), 991372458/ 320861106